Veja quais são os 12 principais indicadores de e-commerce da atualidade

ANÚNCIO

Você tem um e-commerce. Mas, parece que as vendas não estão indo muito bem. Então, o que fazer agora? A primeira recomendação é que você use os principais indicadores de e-commerce para descobrir o motivo.

Por exemplo, pode ser que você esteja com pouco tráfego ou com problemas no abandono de carrinhos ou outro motivo qualquer. Mas, quais são esses indicadores? Nós listamos os 12 mais usados abaixo. Confira-os.

ANÚNCIO

1 – O TRÁFEGO DO SITE

A primeira coisa importante é que todo empreendedor digital deve analisar o tráfego do site. O que é isso? É saber qual é a presença dos visitantes na página. Sendo assim, quanto mais pessoas, melhores as chances de vendas e negócios.

De modo simples, hoje em dia não se tem muito segredo para analisar o tráfego de uma loja virtual ou de qualquer e-commerce. Sendo que quase todo mundo usa o Google Analytics. A partir dessa análise, dá para pensar nas próximas campanhas, conteúdos, etc.

2 – A VISITA NAS PÁGINAS

O e-commerce é uma página de vendas. É como uma loja física. Sendo que para cada seção da loja, nós temos uma página de produtos. Então, o próximo indicador que existe é justamente esse focado em saber quais as visitas que cada página de produto recebeu.

ANÚNCIO

Afinal de contas, o seu site pode ter um grande número de visitantes (tráfego), mas pode ser que eles não estejam chegando até as páginas de vendas (dos produtos). Por isso, esse estudo é tão importante e também vai possibilitar a criação das novas estratégias.

3 – O TEMPO DE PERMANÊNCIA

Para muita gente, esse é outro dos principais indicadores de e-commerce. Porém, não é dos mais importantes. De qualquer modo, a gente vai apresentar. Você saber quanto tempo a pessoa passa no seu site pode ser legal saber se ele entrou de curiosidade ou se ficou interessado no conteúdo mesmo.

A partir disso, dá para pensar em várias novas criações, especialmente em se pensando nas técnicas de SEO (Search Engine Optimization), que nada mais é do que criar conteúdo de qualidade e que tragam resultados orgânicos, especialmente no posicionamento nos mecanismos de busca.

4 – A TAXA DE CONVERSÃO

Esse sim é um indicador dos mais importantes. A taxa de conversão nada mais é do que a avaliação da relação entre o tráfego gerado no site e a quantidade de pedidos que você recebeu. Ou seja, de todos os visitantes, o quanto você vendeu?

Dá para ilustrar isso com exemplo. Um site com 20 mil visitantes mensais pode ter recebido 300 pedidos. Logo, a conta é simples: 30/20.000. Assim, temos uma taxa de conversão de 0,015 ou seja 15%. Obviamente, quanto maior esse valor, melhor para a empresa.

5 – O TICKET MÉDIO

A análise do ticket médio também é bastante interessante porque pode ser que você tenha uma taxa de conversão boa, mas o lucro é baixo. Nesse caso, pode ser que o valor das suas vendas é baixo. Assim, a conta do ticket médio também é simples, sendo:

O ticket médio é igual ao valor total da receita no período dividido pelo número de vendas no período. E nada mais além disso. Obviamente, quanto mais alto é o valor do ticket médio, quer dizer que as pessoas estão gastando mais na sua loja virtual.

6 – O ROI (RETORNO SOBRE INVESTIMENTO)

O ROI é o Retorno sobre o Investimento. Sendo assim, para muita gente é o principal indicador de todo e qualquer e-commerce. Ele vai mostrar ao gestor a eficiência das estratégias que foram criadas. A conta também é simples: é a receita dividida pelos custos.

Sendo que a receita usada no cálculo deve ser o valor gerado a partir da estratégia criada. Enquanto isso, os custos são aqueles relativos aos valores envolvidos para que a estratégia fosse possível de acontecer, como anúncios, salários, etc.

7 – O CUSTO POR AQUISIÇÃO (CPA)

Mais um dos principais indicadores de e-commerce é a CPA. Ela vai indicar quanto foi gasto para conseguir o resultado esperado. Então, geralmente, é usado como termômetro da ação. Assim, quanto menor o CPA, maior o resultado.

A fórmula do CPA é: valor investido dividido pela quantidade de vendas. Também dá para usar um exemplo prático. Uma loja que fez 200 vendas e para isso gastou R$ 10 mil tem um custo de aquisição de R$ 50 (ou seja, R$ 10.000 dividido por 200).

8 – O CUSTO VITALÍCIO DO CLIENTE (CLV)

É um pouco menos usado do que o CPA, mas ainda assim é um bom indicador. Ele vai ajudar a prever a média do valor que um consumidor gasta na sua loja. Sendo que você poderá fazer isso calculando o custo por aquisição pela média do valor gasto.

No entanto, esse cálculo acaba deixando de ser feito porque ele é individual – deve ser feito para cada cliente. Por outro lado, a informação pode ser importante para identificar aqueles compradores que são mais fiéis. Assim, dá para criar estratégias para eles.

9 – A TAXA DE ABANDONO DO CARRINHO (TAC)

O nome é sugestivo e indica quantas vezes o cliente chegou até o carrinho, mas não fez o pedido. Logo, você vai poder identificar quando há problemas na página de vendas, na interface do site, na experiência de compra ou até mesmo porque o carrinho foi abandonado.

A fórmula é: total de abandonos dividido pelo total de compras iniciadas vezes 100.

10 – O TEMPO DE VIDA DO CLIENTE (LVT)

Agora temos um nomeio meio estranho, mas dá para entender. É o indicador que vai medir o potencial de venda de um consumidor para uma determinada marca. Logo, usa-se o tempo médio que os clientes ficam sendo clientes e o ticket médio deles.

principais indicadores de e-commerce

Também não é das fórmulas mais usadas, mas saiba que é o ticket médio vezes a quantidade de vezes que ele compra vezes o tempo médio de retenção dele. Geralmente, esse é um dos principais indicadores de e-commerce da atualidade focado na experiência do cliente.

11 – A TAXA DE APROVAÇÃO DE PEDIDOS

Os pedidos pagos não são os pedidos captados. Você sabe disso, não sabe? Assim sendo, é preciso identificar porque alguns pedidos feitos não foram pagos. Pode ser que o motivo seja a condição do pagamento? Pode, assim como há outros motivos.

Logo, aqui temos a taxa de aprovação de pedidos, que é o número de pedidos pagos dividido pelo número total de pedidos. Depois, você multiplica o resultado por 100. Se há 500 pedidos feitos e 300 pagos, então, temos uma taxa de 60% (300/500 x 100).

12 – A TAXA DE CLIQUES

Por último, também podemos considerar a taxa de cliques, que mostra quantos cliques foram dados em um anúncio feito. É uma relação bastante interessante para campanhas diretas, como de e-mail marketing, por exemplo. Se a taxa é baixa é porque o conteúdo não atingiu o público como poderia.

ANÚNCIO