Qual é a importância do diploma universitário no marketing digital? Descubra

O marketing digital é uma das áreas mais novas de todo mercado de trabalho. Obviamente, o preparo e a especialização são imprescindíveis para qualquer profissional. Porém, qual é a importância do diploma universitário no marketing digital? Nós buscamos a resposta.

Até mesmo porque, hoje em dia, a gente não precisa ir muito longe para ver que tem muito empreendedor de sucesso nessa área que não tem essa formação. Então, será que ela se torna sem importância? É verdade que o mercado só quer saber de resultados e não de formação?

São essas perguntas que as pessoas se fazem atualmente. Afinal, é muito comum vermos o tipo de contratação de freelancer, de home office, de autônomo, sendo que muitas vezes não há requisitos que tenham a ver com a formação acadêmica.

Logo, vamos direto ao ponto. Abaixo, vamos citar a opinião de uma especialista e uma pesquisa e fazer uma análise com o que temos vistos no mercado atual. Afinal, isso pode ser decisivo para você que está pensando em trabalhar com marketing digital.

Uma pesquisa

A gente encontrou na internet uma pesquisa da Glassdoor, que é sempre citada quando o assunto une o diploma com o marketing digital. Ah, a Glassdoor é uma plataforma online de recrutamento e seleção de pessoas para as vagas de trabalho.

PROPAGANDA

Bom, o que ela fala sobre a importância do diploma universitário no marketing digital é que “ter um diploma não é pré-requisito para ser contratado por grandes empresas tecnológicas da atualidade”. Então, sim, é como se não fosse importante. Mas, calma. Continue lendo.

Ainda com base no estudo, o que as novas empresas de tecnologia dizem é que o que importa é se o candidato possui experiência, competência e habilidade atuar no cargo – estando isso ligado ao diploma ou não.

E a ideia dá para ver na IBM, que é uma das maiores empresas no setor de tecnologia. Atualmente, ela tem um quadro de funcionários com 15% dos colaboradores sem ter uma certificação de ensino superior.

E ela tem uma explicação na ponta da língua para isso: “o que se busca na hora de contratar é um profissional que seja autodidata e tenha iniciativa para resolver situações – problema”.

Uma especialista

Ainda falando sobre esse assunto, a Cris Miura, que é da Pontue – Redação Inteligente e também especialista em linguística da Unesp, divulgou um artigo pessoal bem interessante, chamado “está na hora de rasgar o diploma universitário”?

No seu conteúdo, ela começa citando um cenário que parecia ser impossível de ser visto. Mas, é realidade. “Imagine a cena: você estuda por 4 ou 5 anos, gasta muito dinheiro com tudo (até com cópias e materiais de estudo) e, após se formar, você rasga o seu diploma”.

Depois, ela vem a brincadeira e referências: parece uma cena absurda dos filmes Tarantino, certo? Até poderia, mas é uma realidade. A única diferença é que não é você quem está rasgando o seu diploma, mas, sim, são as grandes corporações”.

Vale ressaltar que a ideia dela, a princípio, não é a de criticar colaboradores e nem mesmo as empresas, ok? Mas, sim, fazer uma análise, comparação, estudo do mercado atual de trabalho, especialmente, no marketing digital.

Uma vaga sem profissional

Outro ponto que nos faz pensar e repensar todo mercado é que tantas vezes a gente tem vagas de trabalho abertas, especialmente na área da tecnologia, que não preenchidas. Oras, se há vagas e pessoas desempregadas, o que acontece?

Obviamente, a falta daqueles itens acima faz diferença, como experiência, competência e habilidade. “Justamente pela falta de experiência, o mercado de contratação precisa adaptar-se aos novos perfis”, diz a especialista.

Conheça 5 sites para encontrar vagas de emprego remoto

Logo, uma explicação é ver que os cursos de curta duração e focados em capacitação profissão têm ganhado mais mercado. Assim, a pessoa consegue ter uma especialização em uma área técnica sem ter que fazer uma longa faculdade.

“Certamente é uma possibilidade para muitas pessoas”, completa.

Um diferencial

Agora, a gente não pode, também, ficar sem falar, nesse texto sobre o diploma universitário no marketing digital, que ele será visto como um diferencial. Ou, pelo menos, um ponto a ser agregado no currículo, nas entrevistas e até mesmo na hora da seleção.

E para comprovar isso podemos citar outro estudo, dessa vez da OCDE (Organozação para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico). O que a pesquisa diz?

Que em 2017, um trabalhador brasileiro ganhava, em média, 140% a mais do que um profissional que parou no Ensino Médio. É claro que de lá para cá muita coisa mudou, ainda assim dá para se ter uma ideia do que o mercado vê e espera do trabalhador.

“Nesse sentido, o diploma ainda é um dos pré-requisitos para aumentar a faixa salarial. Porém, apesar desse dado demonstrar a importância do diploma, é certo que esse contexto ainda não é igualitário”, diz.

Uma realidade diferente

Agora, é claro que essa realidade, mesmo com os números das pesquisas, pode mudar. E isso muda conforme muitos fatores. Por exemplo, a região do país.

Veja: 35% da população do Distrito Federal que tem entre 25 e 37 anos têm ensino superior. No entanto, no Maranhão, a taxa cai para 7%.

diploma universitário no marketing digital

Em suma, saiba que pode ser que o diploma não seja algo assim tão “obrigatório” para pleitear uma vaga em qualquer área do marketing digital. No entanto, pode ser um jeito de conseguir os tais requisitos, que são experiência, competência e habilidade.

E Cris fecha a ideia falando que “talvez, não seja um papel que precisamos rasgar, mas, sim, nossos pré-conceitos com relação aos novos e competentes profissionais do século XXI”.

PROPAGANDA